Muitos gestores de frota têm dúvidas sobre o que fazer quando os pneus começam a perder a vida útil e necessitam de reparos. O principal questionamento é sobre o que vale mais a pena: recapagem ou pneus novos?

Segundo a Associação Brasileira do Segmento de Reforma de Pneus (ABR), os pneus reformados ou recauchutados tendem a durar menos do que um novo. Por outro lado, a reforma de um pneu acaba saindo mais em conta. E, por esta razão muitas empresas de transporte consideram esta como uma boa opção para seus negócios.

Recapagem ou pneus novos o que vale mais a pena?

Mas afinal, o que vale mais a a pena para a sua empresa em termos de economia? Existem alguns tipos de reforma regulamentados no Brasil, e é importante saber diferenciá-los para descobrir qual é a melhor opção.

Confira abaixo o que é uma recapagem, uma recauchutagem e uma remoldagem e descubra o que vale mais a pena:

Reformar pneus é seguro?

Quando o serviço é bem realizado, o pneu reformado pode ter uma duração considerável fazendo o investimento valer a pena. Porém, é importante que a reforma seja feita por profissionais qualificados e respeitando as obrigatoriedades da legislação.

Reformar pneus sem qualquer regularidade coloca em risco a segurança dos condutores presentes nas estradas, assim como da carga. Entretanto, mesmo com uma reforma de qualidade, nada pode garantir que a durabilidade seja semelhante a um pneu novo. Isso porque as condições das estradas e o peso das cargas variam, assim como os cuidados com os pneus após a reforma.

Recapagem

A recapagem é, em outras palavras, a reforma dos pneus, onde a borracha da banda de rodagem é substituída. Com o passar do tempo e com o intenso contato com o solo essa borracha acaba se desgastando.

Existem duas maneiras de realizar o processo de recapagem: a quente ou a frio. Na recapagem a frio, costuma-se utilizar uma banda de rodagem já pré-moldada para ser aplicada junto à carcaça do pneu, sendo que, neste caso, a temperatura pode chegar até 115º C.

Já no processo de recapagem a quente, é utilizado a técnica camelback, nela, a banda de rodagem passa pelo processo de vulcanização a 150º C, sendo moldada junto ao pneu. Esse é o tipo de reforma mais comum para pneus de transportes de carga, que costumam ter um uso mais intenso e frequente.

Recauchutagem

Na recauchutagem há a substituição da borracha da banda de rodagem e dos ombros da carcaça dos pneus. Neste processo, também se utiliza o camelback, no qual a temperatura chega à 150º C.

Remoldagem

Na remoldagem dos pneus é feita a substituição dos flancos e de toda a banda de rodagem. Ou seja, toda a parte externa do pneu passa a ser revestida com uma nova camada de borracha, sob altas temperaturas. As informações originais do pneu (fabricante, carga limite e data de fabricação) são apagadas pela nova borracha.

Mas e aí, o que vale mais a pena: recapagem ou pneus novos?

Para responder essa pergunta é preciso ter em mente que os pneus reformados podem ter durabilidade variável. Além das reformas serem diferentes, o uso, o peso das cargas e as condições das estradas também mudam.

A verdade é que não há como prever exatamente o que vale mais a pena sem realizar um acompanhamento adequado. O ideal é utilizar um sistema de controle de pneus para comparar a durabilidade dos novos com os pneus reformados.

Para saber mais sobre controle de pneus leia também: 5 dicas para armazenar pneus de caminhão corretamente