Os altos custos operacionais, a definição do valor do frete e o atendimento ao cliente são só alguns dos fatores financeiros que empresas de transporte precisam balancear. Conheça quais são os maiores gastos das transportadoras e saiba como reduzi-los de uma maneira simples.

Entendendo os gastos de uma transportadora

Para entender quais são todos os custos envolvidos na operação de uma empresa de transporte é necessário compreender como eles são divididos.

1. Gastos fixos

Os gastos fixos são aqueles atribuídos a empresa mesmo que ela não esteja em operação, ou seja, eles não se alteram em um curto período de tempo. Eles ocorrem de maneira independente ao deslocamento da frota ou a produção mensal da transportadora.

Exemplos: valor do software de gestão, depreciação do veículo, aluguel e custos trabalhistas.

2. Gastos variáveis

Estes custos mudam conforme o nível de produção da empresa de transporte, sendo diretamente impactados pela quantidade de operações realizadas.

Exemplos: despesas relacionadas a combustível, manutenção, pedágios e hora extra.

Maiores gastos de uma transportadora

Os principais custos em uma empresa de transporte são relacionados, principalmente, às despesas logísticas no trajeto rodoviário, como:

1. Custos de coleta, transferência e entrega

Os gastos fixos – aqueles que não sofrem nenhum tipo de variação independente da distância percorrida. Eles podem ser: o salário dos condutores, valor do licenciamento e seguro.

Por outro lado, como exemplo dos gastos variáveis – que mudam de acordo com a quilometragem rodada – estão os custos com acessórios, peças de manutenção, manutenção preventiva de frota, combustível, pneus e pedágio.

2. Gastos indiretos

São as despesas consideradas administrativas, que estão indiretamente relacionadas com a operação da transportadora.

Vale ressaltar que estes custos variam de acordo com o volume de carga do mês, podendo ser dividida em: Encargos e salários dos colaboradores que não estão envolvidos diretamente na produção, como funcionários de vendas, administrativo, RH e comercial.

Despesas necessárias para garantir o funcionamento da empresa, como tributos, aluguel, luz e água.

3. Gastos relacionados ao valor

São os custos relacionados à administração de risco do transporte, como perdas, acidentes e assaltos.

As despesas podem ser divididas em dois grupos:

  • Gestão do risco de acidentes e perdas: conhecido como frete valor, ele agrega uma quantia para o transporte de carga.

São elementos como parte do valor do seguro, segurança interna, indenização de extravios e riscos não cobertos pelo seguro da transportadora.

Custos relacionados à segurança das mercadorias, como seguro, e despesas com escoltas e bilhetagem.

4. Gastos com armazenagem

Em alguns casos, a transportadora também precisa armazenar as cargas. Quando isso acontece, outras despesas são levadas em consideração. Por exemplo, os custos referentes ao aluguel de galpões, mão de obra, instalações e equipamentos.

Os gastos de uma transportadora com a armazenagem dependem diretamente da rotatividade das mercadorias. Se a empresa tem mais itens em estoque do que transporta, os custos com o armazenamento aumentam.

5. Gastos com embalagens

As embalagens são itens fundamentais para a logística. Afinal, são elas que mantém a mercadoria segura, impedem que a carga sofra avarias e otimizam o espaço dentro do veículo.

É importante que a embalagem esteja de acordo com o item transportado. Por ser uma carga frágil, precisa ser embalado de forma diferente de um perecível. Por exemplo, exigindo cuidado redobrado. Sendo assim, os custos com as embalagens dependem do tipo de mercadoria a ser transportada.

6. Outros gastos

Entre as outras despesas das empresas de transporte de carga, destacam-se:

Custos com depreciação do veículo, custos com tributos, como impostos trabalhistas, para o transporte e funcionamento da empresa, custo com combustível, óleo e outros lubrificantes, custos com pneus, como a compra de um novo ou a sua recapagem, custos com manutenção, seja ela preventiva, preditiva ou corretiva, custos com pedágio, custos de permanência da carga, custos de cubagem: quando as mercadorias de baixo peso lotam o caminhão antes de atingir o limite máximo.

Quando for o caso, custo de devolução de mercadoria ao destinatário, custo com reentrega quando o destinatário não pode receber a carga na primeira entrega. Quando o caminhão fica parado por mais tempo do que o esperado, há o custo de estadia do veículo.

Como a tecnologia pode reduzir os gastos das tranportadoras?

Como pudemos observar ao longo do texto, são vários os gastos de uma empresa de transporte. A boa notícia é que existe uma forma de reduzir consideravelmente estes custos.

Um software de gestão de transportes é capaz de garantir a segurança nas operações e auxiliar nas tomadas de decisão. Com o sistema, o gestor consegue aumentar a eficiência da empresa e reduzir custos.

Acima foram listados alguns dos gastos que as transportadoras têm mensalmente, fora eles ainda existem vários outros como: combustível, pneus e manutenção.

Com a ajuda da tecnologia é possível melhorar a experiência do cliente.

Compreender e analisar todos os gastos de uma transportadora contribui efetivamente para a economia e redução de custos desnecessários.

Clique aqui para conhecer nossas soluções de gestão de frotas.